Páginas

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Zaansemostersoep



Surpreenda-se com a textura e sabor desta sopa de mostarda  pra lá de consumida e adorada na Holanda

Ingredientes:
- 2 batatas grandes cortadas em cubos.
- 1 cebola cortada em quatro.
- 500 ml de água.
- 1 litro de caldo de frango.
- 2 colheres de sopa bem cheias de mostarda escura com grãos (tipo
l’ancienne). Se você gostar de sabores fortes, pode até colocar mais um pouco…
- 2 colheres de sopa de requeijão cremoso.
- 2 colheres de sopa de creme de leite.
- 1 maçã cortada em cubinhos de aproximadamente 2cm OU cubinhos pancetta torradas(mais usual na Holanda).

Modo de preparo:
1 – Numa panela grande, cozinhe as batatas e a cebola em 500ml de água, até que estejam macias.
2 – Espere esfriar um pouco e bata as batatas e a cebola no liquidificador, com a água que restou na panela.
3 – Volte este “creme “ para a panela e acrescente o caldo de frango.
4 – Verifique a consistência. A sopa deve estar grossa, mas não muito. Se necessário, acrescente um pouquinho de água.
5 - Ligue o fogo e deixe ferver por 3 minutos.
6 – Desligue o fogo, acrescente o requeijão, a mostarda e por fim o creme de leite. Misture bem com um fouet para que a sopa fique homogênea e acerte o sal.
7 – Sirva com os cubinhos de maçã ou cubinhos de 
pancetta.

 Zaansemosterdsoep significa sopa de mostarda em holandês.
A tradicional sopa holandesa é feita com mostarda em grão especial da região de Zaandam, dos Países Baixos.
Uma ótima opção nos dias frios!

terça-feira, 29 de junho de 2010

Molho de Mostarda e Maracujá


Sobre a salada, carne, peixe ou frango, essa salsa fica um espetáculo!
Molho de mostarda e maracujá
Ingredientes:
1 maracujá azedo
¼ de xícara de chá de água
1 xícara de chá de creme de leite light
1 colher de sopa de mostarda dijon
2 colheres de sopa de mel
1 colher de chá de sal
Modo de preparo:
Retire a polpa do maracujá e bata ligeiramente com água no liquidificador para soltar as sementes, sem triturar. Passe por uma peneira. Reserve algumas sementes para decorar. Bata o suco obtido com creme de leite, a mostarda, o mel e o sal. Regue uma carne ou uma salada.

Crostinis de Tomate e Queijo de Cabra

Crostini de tomate e queijo de cabra

Ingredientes:

. 1 baguete francesa
. 1 e 1/2 xícara (chá) de azeitona preta
. 3 colheres (sopa) de azeite
. 3 colheres (sopa) de folhas de salsa
. 1 tomate sem pele e sem sementes picado
. 100 g de tomate seco picado
. 150 g de queijo de cabra macio
. Sal a gosto

Modo de preparo: Aqueça o forno a 180ºC. Corte a baguete em fatias e leve ao forno por dez minutos ou até começar a dourar. Retire e deixe o forno ligado. Retire o caroço das azeitonas e coloque-as no liquidificador. Junte o azeite, as folhas de salsa e bata até obter uma pasta. Misture-a nas fatias de pão e monte com o tomate sem pele, o tomate seco e o queijo de cabra. Leve novamente ao forno por dez minutos. Se quiser sirva com batatas ao murro, como sugestão da foto.

* A receita de batatas ao murro você encontra neste blog em "acompanhamentos". 

O que é Crostini?
Em italiano, crostini "significa" pequeno brinde ", e é uma descrição muito precisa do alimento. Crostini são feitos em pequenas fatias de corte do pão, geralmente um simples pão branco, assado até que ela se torna crocante, tostado. São torradinhas!
 Podem ser regados com azeite e sal e servido puro, ou podem ser cobertos com uma variedade de molhos e usados como aperitivos ou acompanhamentos em alimentos como sopas. Crostini são muito fáceis de fazer em casa, e eles também podem ser comprados em padarias, supermercados e delicatessens.

Diferença entre Crostini e Bruschetta
bruschetta normalmente é feita com o pão italiano típico, aquele de massa fermentada, com levedura natural, que apresenta uma cor cinza escura. Já o crostini é feito em pão branco, como por exemplo a ciabatta.

Gnocchi de Inhame com Molho de Abóbora


Hoje é dia 29, o dia mensal do Gnocchi! Não deixe de celebrar experimentando essa deliciosa e super saudável receita.
Nhoque de inhame ao molho de abóbora
Ingredientes:
2 xícaras de chá de inhame cozido e espremido
1 clara
1 colher de café de sal
1 e ½ xícara de chá de farinha de trigo
Molho
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 cebola picada
2 xícaras de chá de abóbora cortada em cubos
1 colher de chá de amido de milho
2 xícaras de chá de caldo de legumes
Modo de preparo:
Em uma tigela, misture o inhame, a clara e o sal. Aos poucos, acrescente a farinha até obter uma massa bem firme. Faça rolinhos com a massa e corte em pedaços. Coloque os nhoques em uma panela grande com água e leve ao fogo. Adicione os nhoques, aos poucos, até que subam à superfície. Coloque-os em uma travessa e reserve.
Molho
Aqueça o azeite e refogue a cebola. Junte a abóbora, mexa um pouco e acrescente o amido dissolvido no caldo de legumes. Deixe cozinhar até amaciar. retire do fogo, espere esfriar e bata no liquidificador. Retorne ao fogo e, quando ferver, desligue. Regue o nhoque com o molho e sirva.

Mais sobre o INHAME
O INHAME LIMPA O SANGUE
É um dos alimentos medicinais mais eficientes que se conhece: faz muitas impurezas do sangue saírem através da pele, dos rins, dos intestinos. No começo do século já se usava elixir de inhame para tratar sífilis. Acredita-se que foi uma das primeiras plantas cultivadas no planeta.

FORTALECE O SISTEMA IMUNOLÓGICO
Os médicos orientais recomendam comer inhame para fortificar os gânglios linfáticos, que são os postos avançados de defesa do sistema imunológico. Curioso que a forma do inhame seja tão semelhante à dos gânglios. Ele é riquíssimo em zinco, que aumenta nossas defesas.

EVITA MALÁRIA, DENGUE, FEBRE AMARELA
A presença do inhame no sangue permite uma reação imediata à invasão do mosquito, neutralizando o agente causador da doença antes que ele se espalhe pelo corpo. Aldeias inteiras morreram de malária depois que as roças de inhame foram substituídas por outros plantios.

É MAIS PODEROSO QUE A BATATA
E tem a vantagem de ser nativo, enquanto a semente da batata é importada. Inhame dá com fartura em qualquer lugar úmido. Em vez de apodrecer na cesta, como a batata, ele brota e produz mais inhames. Nas mulheres aumenta a fertilidade porque contém fitoestrógenos, hormônios vegetais, importantes na menopausa e após.

MEDICINAL
Marronzinho por fora, com a pele variando de roxo a branco. Existem ainda o inhame-do-norte e o cará, maiores e mais lisos, que são muito bons para comer mas não têm o mesmo poder curativo do inhaminho (também chamado de inhame chinês ou cará chinês).

A FOLHA PARECE COM A TAIOBA
É da mesma família; ao contrário do que se pensa, a folha do inhame também serve para comer, cozida ou refogada. Às vezes pinica muito, como a taioba, que às vezes não pinica.

SE PINICAR É PORQUE TEM MUITO ÁCIDO OXÁLICO
que se apresenta em forma de cristaizinhos finos como agulhas e, nesse caso, não deve ser comido cru. Como há muita variação nos cultivares de inhame, o conteúdo de ácido oxálico (que pode dar pedra nos rins e dificultar a absorção de cálcio e ferro) também varia. O inhame branco japonês parece ser o mais apurado de todos, com teor baixíssimo do ácido.

A DENOMINAÇÃO CORRETA PARA ESTE INHAME É TARO
Em latim nosso herói se chama Colocasia esculenta (sinônimo Colocasia antiqua), da família Araceae, enquanto o inhame-do-norte e o cará são da família Dioscoreaceae. Como na maior parte dos lugares a denominação inhame se refere à turma da Dioscorea, e o nome predominante da Colocasia pelo mundo afora é taro, no I Simpósio Nacional sobre as Culturas do Inhame e do Cará foram propostas e aprovadas as denominações de Inhame para Dioscorea e Taro para Colocasia, uniformizando os termos brasileiros com a denominação internacional, de acordo com os relatos dos pesquisadores Santos, E.S., Cereda, M.P., Pedralli G. e Puiatti, M. (Denominações populares das espécies de Dioscorea e Colocasia no Brasil. Tecnol. & Ciên. Agropec., João Pessoa, v.1, n.1, p.37-41, set. 2007).

OS MUITOS NOMES DA COLOCASIA
inhame em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Portugal
inhame branco, taro, taioba em Portugal (a folha da taioba é semelhante à do taro)
taiá no sul do Brasil
cará e cará chinês em outras regiões brasileiras
taro, cocoyam e dasheen em inglês
dasheen no Caribe
tar, kokosyams em dinamarquês
cocoyam em Gana, Nigéria e Camarões de língua inglesa
qolqas em árabe
taro em russo, alemão, holandês, francês e na Polinésia
aronille em francês
arvi, kachalu, ghuiya em hindu
chamagadda em Angla Pardesh, Índia
colocasia, malanga, yame de canárias, alcocaz e otoe em espanhol
colocasia, taro di egito em italiano
kolokassi em cipriota
kalo no Havaí
yu em mandarim
sato-imo em japonês
toran na Coréia do Sul
khoai mon ou khoai so no Vietnam
dalo nas ilhas Fiji
nduma em kikuyu
amadumbe em zulu
macabo entre os que falam francês em Camarões
yautía em Porto Rico
keladi em malaio
gabi em tagalogue, nas Filipinas
E tem mais: inhame, digo, taro, não é tubérculo nem rizoma. Pasme: é cormo. Com M.
COMA E AME!




    segunda-feira, 21 de junho de 2010

    Gnocchi al mare


    Ingredientes:


    Para a massa- 04 xícaras de leite
    - 07 colheres (sopa) de maionese
    - meio maço de cebolinha picada
    - 03 batatas medianas cozidas amassadas em purê
    - 03 xícaras de farinha de trigo peneirada
    - 02 cubos de caldo de galinha
    - sal a gosto

    Modo de preparo:
    Dissolva os cubos do caldo de galinha no leite e leve ao fogo com a maionese, a salsinha e o sal. Quando levantar fervura e a maionese derreter, retire do fogo e coloque a farinha de trigo e o purê de batatas de uma só vez. Misture bem rápido para não empelotar. Volte a massa no fogo baixo, mexendo por no máximo 2 minutos. Desligue o fogo e deixe a massa amornar. Sobre a mesa enfarinhada, coloque a massa e faça rolinhos, corte no formato de nhoque. Numa outra panela com água e sal, cozinhe os nhoques até eles subirem a superfície. Sirva imediatamente com o molho de camarão.

    Para o molho:
    - 500 g de camarão médio(limpo).
    - 200 ml de caldo de camarão concentrado(ou[agua com 1 tablete de camarao).
    - 200 ml de leite de coco.
    - 100 ml de creme de leite fresco.
    - uma pitada de estragão desidratado.
    - uma pitada de curry- Noz-moscada e pimenta-do-reino a gosto.
    - Sal a gosto.

    Modo de preparo:
    Numa panela adicione todos os ingredientes exceto os camarões, mexa bem, cozinhando em fogo baixo por 15 minutos, acrescente os camarões e deixe cozinhar por mais 01 minuto, retire do fogo, cubra os nhoques e sirva imediatamente.


    Vinho para harmonizar? Um chardonnay garante boa companhia a este prato.


    Boa pedida para variar e surpreender seus convidados num dia 29 - o dia mensal do gnocchi!

    Já ouviu falar de "UMAMI"?


    Umami é o "quinto" gosto básico, além dos quatro mais conhecidos (doceamargoácido e salgado). A palavra umami é de origem japonesa e pode ser traduzida como delicioso ou saboroso.
    Existem certas substâncias químicas — sobretudo aminoácidos — presentes em certos alimentos que são detectados na língua por receptores específicos (TmGluR4). O glutamato monossódico é o principal aminoácido que provoca no paladar o gosto umami. Nos alimentos em que ele está presente naturalmente, o paladar reconhece o umami. Estes são principalmente tomatesqueijos fortes, carnes, e sardinhas, além do leite humano ebovino. Existem, porém, diversos produtos industrializados que levam o glutamato como intensificador de sabor. Na cozinha asiática (japonesa, chinesa, etc.) é muito comum usar glutamato monossódico para acentuar o umami, que é vendido comercialmente com a marca Aji-no-moto.
    A percepção do sabor umami é também intensificada pela presença de IMP (inosinato de sódio), um nucleotídeo que pode ser ingerido simultaneamente com o aminoácido. Foram descobertos posteriormente outros intensificadores de sabor tais como: monofosfato de inosinamonofosfato de guanosina,guanilato dissódicoinosilato dissódico e 5-ribonucleótidos de cálcio.
    Além de humanos, outros mamíferos tais como cães e ratos também têm receptores capazes de percebê-lo.

    O umami, foi descoberto em 1908 por um pesquisador japonês, Kikunae Ikeda. O Ikeda ficou feliz ao descobrir que coisa era aquela que temperava o seu dashi, e contou pra todo mundo feliz que tinha descoberto o quinto sabor. A resposta da comunidade científica internacional foi cri…cri… Foi necessário mais um punhado de décadas para comprovar que o cara sabia das coisas.
    umami é definido pelos cientistas como a sensação do delicioso. A "deliciosidade"...


    Como podem perceber, o umami não é realmente nenhuma novidade. É algo que sempre esteve presente em nossas vidas. Apenas a consciência sobre esse sabor não faz parte de nosso cotidiano gastronômico e as pessoas nem sabiam exatamente o que sentiam em seu paladar. Então, que tal começar a treinar a língua para sentir melhor esse “novo” sabor?


    Conhecer o umami é imprescindível para os chefes de cozinha, pois o ideal na gastronomia é o equilíbrio dos paladares. As receitas são compostas a partir da harmonia dos ingredientes e dos sabores. O umami, como um realçador do paladar, pode contribuir para deixar um prato mais apetitoso. Intensificar sabores em uma receita com a adição de tomates maduros, queijo parmesão ou cogumelos caramelizados ajuda os chefes a compor cardápios mais atraentes.


    Mas, atenção, milagres não existem. Os pratos não se transformam com a adição do sabor umami, nem isto faz com que as pessoas gostem, de repente, de comidas que nunca apreciaram. Os princípios básicos da composição de um prato continuam valendo (equilíbrio e harmonia dos sabores). O importante, para aqueles que atuam na gastronomia, é acompanhar a evolução dos conhecimentos científicos na área, assimilar aquilo que traz benefícios e aliar isso tudo à arte e criatividade nas preparações. A cozinha intuitiva cada vez mais cede espaço para uma atividade baseada no profissionalismo, na informação, na evolução tecnológica, tudo isto voltado para o preparo de uma alimentação mais saborosa e saudável.
    Portanto, os novos conhecimentos, como a descoberta do quinto sabor (para o qual ainda poderemos encontrar uma palavra portuguesa mais saborosa do que umami) contribuem para o aprimoramento das receitas e das composições gastronômicas. Os gourmets agradecem! 

    Louça com aplicação de cristais Swarovski

    Com formato retangular, os modelos combinam linhas retas e curvas
    com formato retangular, os modelos combinam linhas retas e curvas
    A Oxford, maior fabricante de cerâmica de mesa da América Latina, lança em seu portfólio 2009 o exclusivíssimo modelo Fall. As peças apresentam as decorações Dazzle White e Dazzle Black, com aplicações de cristais Swarovski nos pratos e nas asas das xícaras.
    A nova coleção inclui 78 decorações e 45 novos produtos em cerâmica. Boa parte dos lançamentos faz parte da Linha Premium, destinada às lojas de presentes finos. As novidades vão além de estampas e cores. Nos últimos anos, a equipe de designers da marca vem desenvolvendo formatos exclusivos para pratos, canecas, pires, travessas, entre outros.
    :: Modelo Fall
    Peças unem design de vanguarda com conceitos e formas referenciais
    Peças unem design de vanguarda com conceitos e formas referenciais
    Em versão interamente branca, as peças combinam com mesas clássicas
    Em versão interamente branca, as peças combinam com mesas clássicas
    Pedidos podem ser feitos pelo site da Oxford, no www.oxford.ind.br, ou pelo serviço de atendimento ao consumidor, no (47) 3631 3003.

    quinta-feira, 17 de junho de 2010

    Idéias românticas

    Ainda inspirada pelo mês dos namorados, posto aqui algumas idéias de decoração que vão surpreender o seu amor!
    Depois é só escolher um menu bem bacana, bons vinhos e espumantes e curtir o momento!


    Que tal começar o dia com um café da manhã bem amoroso?



    Veja essa mesa, que romântica e fácil de montar:



    Essa é linda, pode ser montada para diversas ocasiões:



    E essa? Uma declaração de amor!



    Momento rústico e romântico:



    Um cantinho com velas e flores sempre cria um clima delicioso:



    Que tal um presente surpresa?



    Ah, a cama também pode e deve fazer parte do cenário romântico!












    Laços e fitas de textura leve sempre adornam e dão charme à decoração.



    E então? Inspirou?
    Muito amor pra você!!!

    Quirera Lapiana


    Ingredientes:
    1 kg de carne de porco (costelinha fresca ou defumada)
    1 ramo de manjerona fresca picada
    2 cebolas médias picadas
    300 gramas de quirera de milho especial (branca ou amarela, também chamada de canjiquinha ou quirela)
    2 dentes de alho picados
    Salsinha e cebolinha verde picadas
    Sal e pimenta a gosto
    Modo de Preparo:
    Lave bem a quirera e deixe de molho por uns 30 minutos. Frite demoradamente as carnes em panela de ferro até ficarem douradas. Acrescente o alho e a cebola. Deixe dourar. Coloque água aos poucos e deixe cozinhando até as carnes ficarem macias. Junte então a quirera. Deixe cozinhar em fogo brando, mexendo continuamente com uma colher de pau. Tempere com sal, pimenta e acrescente a manjerona. Estará no ponto quando a quirera estiver cozida, (porém "al dente") e úmida. Coloque então a salsinha e a cebolinha. Sirva bem quente (saída da panela).
    Fonte: Secretaria de Estado do Turismo - SETU/PR

    O nome vem de onde?
    No Paraná, encontramos a "Quirera Lapiana". 
    A cidade de Lapa/PR, que dá nome ao prato! Fica às margens da antiga estrada da Mata
    - que ligava Viamão/RS a Sorocaba/SP. Originou-se como lugarejo para pouso de tropeiros. 
    Talvez aí resida a explicação de encontrarmos tantos pratos típicos com características semelhantes, 
    em tantos lugares longínquos do país. As idas e vindas de tropeiros por inúmeras regiões do 
    país acabaram ajudando a difundir certos costumes e práticas culinárias Brasil afora.


    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...